Rios, Lagoas, Açudes e Lagos

Dono de metade das águas subterrâneas de boa qualidade existentes no Nordeste, o Piauí aparece, junto com Maranhão e Bahia, como o estado nordestino mais vocacionado para irrigação. Isso se deve principalmente às suas extensas bacias de rios perenes ou com possibilidade de perenização de quase todos os rios temporários. O Piauí conta com mais de 140 rios, e quase todos deságuam no Parnaíba, perfazendo juntos mais de cinco mil quilômetros de extensão.

Mais de 100 lagoas enriquecem e embelezam o conjunto dos recursos naturais do Piauí. Ibiraba, Cajueiro, Pavuçu, Caiçara, Ipueira e Caraíbas, por exemplo. Suas águas são suficientes para irrigar 100 mil hectares de terras. A lagoa de Parnaguá, ao sul do Piauí e a mais representativa, é formada pelo rio Paraim, do qual se torna afluente quando as águas sobem nos períodos de chuva.

Ao norte do estado, margeando o rio Parnaíba, 54 lagoas contribuem com extraordinário potencial agrícola da região. De todas elas, a lagoa de São Domingos, ou lagoa Grande do Buriti, em Buriti dos Lopes, se destaca pelos seus 20 milhões de metros cúbicos de água. As margens das lagoas ao norte piauiense são utilizadas para o plantio de arroz, cuja produtividade atinge duas colheitas por ano. Sem os prejuízos das inundações ocasionadas pelas cheias dos rios Longá e Parnaíba, a produtividade média poderá atingir mais de seis toneladas por hectare.

Cinco bilhões e meio de metros cúbicos de água estão represados nos açudes públicos do Piauí. Construídos para o desenvolvimento de projetos de irrigação, pesca ou geração de energia, destaque fica para o que deu origem à hidroelétrica de Boa Esperança. As suas águas formam a barragem do rio Parnaíba, no município de Guadalupe.

O lençol de águas subterrâneas, considerado um dos maiores do mundo, vem complementar a justificativa que torna o Piauí um estado excelente para irrigação. O subsolo é caracterizado pela existência de rochas fraturadas, as quais, apoiadas em formação rochosa impermeável, acumulam e retêm águas, inclusive as originadas pelas precipitações pluviométricas. Esse fator concorre para o abastecimento dos abundantes lençóis existentes no estado.

Nos vales do rio Gurguéia, o segundo maior rio piauiense em importância, inúmeros poços jorram, em média, mais de 200 mil litros de água por hora. O poço Violeta se destaca com a vazão equivalente a 735 mil litros por hora. Esse manancial faz do Piauí um estado promissor e capacitado a ocupar posição de destaque no contexto nacional.