Arte Popular

As manifestações populares do Piauí possuem características próprias, fundamentadas e buscadas na criação do gado, na agricultura, no povoamento e no modo de viver. Para sua diversificação, de muito valeram a influência portuguesa, africana, indígena e sírio-libanesa.

A literatura retrata as peculiaridades do povo, abrangendo o cordel, os provérbios, os contos, as adivinhas, o romance, os apelidos e as lendas. A pintura, num processo de criatividade e expressividade plástica, expõe a dimensão do homem, o seu ambiente e o seu universo cultural. Na escultura, o homem e a religiosidade expressionista estão presentes. As danças e os folguedos populares enriquecem o folclore. O artesanato possui características utilitárias, com peças em madeira, argila, fios de algodão, couro, fibras, palhas e cipós, cuja utilização de matérias-primas locais representa uma característica fundamental para a sua existência. A arte popular piauiense é, sem dúvida, rica, abundante e criativa.

A matéria-prima utilizada no artesanato é abundante e variada. São as fibras e palhas de buriti, babaçu, carnaúba, tucum, piaçaba, caroá, taboa, agave, além de grande variedade de cipós, de taquara e outros elementos naturais. A madeira é de excelente qualidade e a argila apresenta cores e tipos diversos.

O artesão do Piauí não está massificado, pois mantém as características fundamentais de criação popular, tradicional e espontânea. São pessoas simples, de cultura rústica, que unem ao trabalho o impulso criativo, dando originalidade a cada peça que produzem.

Em toda a extensão territorial piauiense, é visível as potencialidades naturais aproveitadas na confecção de produtos artesanais. Conheça algumas das matérias-primas encontradas em abundância no estado:

Fibras: representam a matéria-prima mais utilizada pelo artesanato piauiense, notadamente trançados e tecelagem.

Madeira: piquizeiro, violeta, pau d’arco, gameleira, cangalheiro e cedro. Estes vegetais são verdadeiras riquezas para o artesão piauiense.

Opala: pedra lapidada artesanalmente para uso em colares, anéis e brincos, encontrada em Pedro II, a 200 quilômetros de Teresina.

Argila: de boa qualidade, produz excelentes objetos de arte decorativa e utilitária. Em Teresina, o bairro Poti Velho concentra a melhor representação do artesanato em barro, preparado em fornos caseiros.

Couro: representa potencialmente a única atividade artesanal que utiliza matéria-prima animal. A partir dele é confeccionado o mais tradicional traje nordestino, o do vaqueiro. Com sua vestimenta completa em couro cru, constitui, por intermédio de muitos artesãos da zona rural, a resistência de uma cultura viva, cuja herança histórica se firma na criação de gado, que já deu ao Piauí a condição de maior produtor do país.

Outros artefatos populares são produzidos como bens utilitários, destacando-se a cestaria, os trançados e a cerâmica, os quais têm se mantido por gerações. São exemplos o surrão para armazenar grãos, as cestas, as bolsas, os potes ou as quartinhas para armazenar água. Esses produtos têm possibilitado a melhoria das condições de vida de muitos artesãos.